fbpx
Cão de Trabalho
Cão de Trabalho

Bandog #CDT – Qual raça utilizar?

Data
17 fev 2020
Categoria
Raças #CDT
Comentários
Nenhum comentário

Vou falar explicar para vocês quais raças eu julgo ideal e os motivos para escolha delas na produção de um eventual Bandog.

O que é um Bandog?

Bandog é um conceito e dessa forma há interpretações e entendimentos diferentes. Contudo, há algo essencial em todas as definições: funcionalidade.

Alguns dizem que devem cruzar um cão Mastiff (mastim napolitano, fila brasileiro, mastiff inglês) com um cão de Presa (pitbull, bullterrier, amstaff). Outros dizem, que deve ter X % de uma raça e Y % de outra raça. Se buscar na história, verá que o conceito era de Bandog ser o cão de corrente, em sua tradução literal. Isso significa o cão preso durante o dia e solto a noite.

Tem ainda o veterinário norte americano John Bayard Swinford, que trouxe de volta o termo e o seu significado. Em sua criação buscou cães grandes e fortes, com o cruzamento do Mastiff Inglês com o Pitbull de combate.

Aqui no Brasil, o assunto trouxe a fama com o Jairo Teixeira, do canal Bandog Brasil. E se materializou antes mesmo dele, com os cães do criador Edenilson, vulgo Grilo, lá do Canil Buena Vista. E hoje no Brasil, o Dr. Musashi Greco trouxe os lendários Andantes direto do canil na Eslováquia.

Porém, é universal a característica principal do conceito Bandog. O cão precisa ser funcional. Precisa realizar trabalho, seja guarda, caça, pastoreio, etc.

“Feliz é o cão que tem uma função.”

Autor desconhecido.

No vídeo abaixo eu explico quais as raças eu julgo formar o Bandog ideal e seus motivos.

Bandog Ideal

Na minha visão as raças que mais se completam para a formação de um Bandog para guarda patrimonial é o cruzamento do Fila Brasileiro com Dogo Argentino.

Morfologia

Akira – Bandog

Busco num bandog, um cão com poder de mordida, estrutura corporal pra aguentar o combate, agilidade para buscar o invasor e resistência para suportar a luta.

A eventual cruza das duas raças proporciona cães grandes e fortes. A inserção do Dogo Argentino no Fila, trás uma maior agilidade e resistência. Esteticamente falando, não acho o Fila Brasileiro um cão bonito, devido aos excessos de pele solta, orelha grande e formato da cabeça. Adicionando o Dogo Argentino, acredito que vai tirar bastante os excessos e enxugar o corpo do Fila Brasileiro.

Altura e Peso

A altura dos cães da eventual cruza é semelhante, entre 60 a 70 cm nos machos e fêmeas. Já o peso varia um pouco mais do Fila pro Dogo Argentino, com isso a ideia é se ter um cão entre os 40 a 50 kgs no resultado final.

Cor/Pelagem

O Fila Brasileiro tem muito para agregar ao Dogo Argentino nesse quesito. Buscando um cão para guarda patrimonial, o mix de cor disponível nos Filas como o Fulvo e o Tigrado ajudaria bastante na camuflagem. O eventual cruzamento sairia com animais de cores escuras com alguns detalhes brancos, dando um resultado muito bonito.

Abaixo uma foto ilustrativa de um possível resultado.

Temperamento

Ghost – em ação

No meu cão ideal, eu gostaria de ter o balanço nos drives da seguinte maneira: 60% drive de defesa e 40% drive de caça.

O Fila Brasileiro tem em sua história a utilização em guarda de fazendas e a famosa “ojeriza”. Isso o credencia como um gladiador.

O Dogo Argentino carrega consigo o título de melhor cão de caça. Criado, testado e aprovado como um excelente cão funcional.

Trazendo o grande drive de defesa que o Fila Brasileiro tem e somado ao drive de caça que a raça Dogo Argentino carrega, vai gerar ótimos cães. Obviamente, nascerá cães péssimos a excelentes, como em todas as raças e ninhadas. Porém, escolhendo bons cães e bons indivíduos, a tendência pela carga genética carregada pela própria raça, é de maximizar os bons cães.

Bônus

Ambas as raças tem em sua característica o trabalho em matilha. Isso é um bônus nesse cruzamento!

Um cão sozinho é mais fácil de ser imobilizado ou até mesmo eliminado. Porém, cães em matilhas se tornam mais fortes, tanto em poder de destruição, quanto de aprendizado e confiança.

É notório que quando já se tem um cão bom, quando se adquire um novo cão, ele se sinta mais encorajado e confiante no trabalho, junto com o outro cão. Isso também se reflete na hora do trabalho de guarda. Dessa maneira, mais cães executará de maneira mais efetiva a guarda territorial.

https://www.instagram.com/p/B8aA6nyF_qJ/

Em algumas raças isso seria problema, pois tem raças que não aceitam outros cães dentro do mesmo território. Sempre devemos ter em mentes que indivíduos conta bastante e mesmo nas raças citadas vão ter esses indivíduos, porém, de maneira geral é comum ver vários filas juntos nas fazendas e também vários Dogos caçando com outros cães em matilhas.

O resultado do cruzamento então, tende a ser um cão sociável com outros cães e animais. Aumentando assim as chances das possibilidades genéticas nos presentear com um cão excepcional e ainda sim trabalhando com mais cães desse calibre.

Saúde

O Bandog por si só, já é mais saudável que as raças puras. A cruza entre indivíduos de raças diferentes trás uma heterose sensacional! Escolhendo dessa forma, pais saudáveis de criadores responsáveis, a tendência é sair só cachorro máquina.

Criadores

Você já conhece os Criadores #CDT? Lá eu indico aqueles que fazem a seleção funcional, tendo os melhores cães e ninhadas do Brasil.

Os criadores indicados das raças citadas são:

  • Fila Brasileiro
  1. Canil Leões de Sant’anna – Prop: Alexandre
  2. Canil Instinto Atravessado – Prop: Cristiano
  • Dogo Argentino
  1. Canil Wyky Buena Vista – Prop: Edenilson Cardoso
  2. Canil Kallev Efratah – Prop: Jonas

Se você concordou e quer ver essa cruza sair do papel, que tal adquirir um cão desses criadores e dar início a esse projeto do Bandog #CDT. E lembrem, quando isso acontecer, estou aqui para comprar o seu cão e testá-lo!

Siga-nos em nossas redes sociais!


Gostou dessa postagem? Avalie abaixo.

Abraços #AmigosCDT .

Comentários

Escrever um comentário?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*